sexta-feira, 20 de abril de 2018

Locução e propaganda em 1940


Em 1940, o regime instalou na Emissora Nacional um serviço de propaganda das comemorações dos centenários (independência e restauração), em francês, inglês, alemão, espanhol e italiano. Na imagem, Hilde Mattauch e Hermínia Ferreira, locutoras de língua alemã e italiana (Rádio Nacional, 11 de fevereiro de 1940).

Breve curso de arquitetura

Na Biblioteca Municipal Almeida Garrett (Porto), às sextas-feiras de 4 a 25 de maio (quatro sessões, oito horas).


segunda-feira, 16 de abril de 2018

A guerra na rádio

Os historiadores gostam de falar da guerra do éter. No final de 1940, a Alemanha bombardeava diariamente Londres e a Grã-Bretanha bombardeava diariamente Berlim. A guerra corria favoravelmente aos alemães, que tinham invadido a Holanda, a Bélgica e, quase num ápice, a França. A Itália entrava em guerra com a Grécia e invadia o corno de África. O Canadá enviava aviões para a Grã-Bretanha e os Estados Unidos ainda estavam meio indecisos sobre o que fazer.

Se a guerra era violenta, a rádio entrou também no conflito. Creio que as estações alemãs começaram a publicitar as suas emissões em ondas curtas apenas em dois de novembro de 1940, conforme o exemplar saído no Jornal de Notícias (Porto). Apesar de já publicitar as suas emissões há mais tempo, o anúncio da BBC (A Voz de Londres) aqui inserido (3 de novembro e no mesmo jornal) tem a particularidade de englobar as emissões em português e em francês.



sábado, 14 de abril de 2018

Vedetas dos programas infantis de rádio (final da década de 1930)


Na década de 1930, a programação infantil na rádio tinha um conjunto de pequenas vedetas, reconhecidas por nomes diminutivos. O Século Ilustrado (17 de dezembro de 1938) dedicou algumas páginas a revelar ao público essas vedetas, de onde retiro as imagens. Na época, havia revistas em papel destinadas a um público juvenil e infantil e associadas a programas de rádio. Pela amostra das estações de Lisboa, parecia haver mais vedetas meninas do que rapazes.

Um grupo era constituído por Mimi, Odete Passos de Saint-Maurice (autora de programas juvenis até cerca de 1974) e Julieta Marques Cardoso, para Rádio Clube Português, então a emitir da Parede. Além da fotografia em grupo, Mimi aparece sozinha, sorridente, quase irreverente e de cabelo de franjas.

Outra pequena vedeta era a Esterinha das emissões Papagaio ( Rádio Renascença), na  fotografia em cima de uma cadeira. Ester de Lemos (1929-), depois licenciada em Filologia Românica, seria assistente de programas literários da Emissora Nacional (1956-1959), deputada em 1965 e docente universitária (1957-1963 e 1971-1974), professora do ensino secundário e docente no Instituto de Novas Profissões, de onde se reformou em 1990.

Além da Esterinha, a Rádio Renascença contava com Manon, Misette e, na fotografia de grupo e atrás, da esquerda para a direita, José Fernandes (pai Paulino), Carlos Santos (coelho), Adolfo Madeira (gato), Manuel Campos (pombo), Arnaldo Silva (tenor) e José Castelo (diretor). Pela designação dos papéis, adivinha-se o teor habitual do programa, o do tempo em que os animais falavam. Além de música e diálogos, havia ainda leitura de poemas e historietas.

A antepenúltima imagem diz respeito a Rádio Hertz, uma estação que desapareceria pouco depois, a contar com algumas Marias no elenco da programação infantil. Chamo a atenção para o design do microfone. Aliás, em todas as fotografias, o microfone é um elemento central. A penúltima imagem, da Rádio Luso, fechada no final da II Guerra Mundial, por ligação a interesses alemães, mostra outras particularidades, a do acompanhamento musical - piano e acordeão. Na imagem inicial (Rádio Clube Português), também se observa a existência de um piano de cauda e de suporte de pautas musicais. As emissões eram em direto. Certamente que haveria um tempo para ensaio antes da emissão.

Deixo para o fim uma imagem do grupo inteiro a colaborar em Rádio Graça, conjunto compacto e sorridente (O Século Ilustrado, 24 de dezembro de 1938). Às crianças, em primeiro plano, sucediam-se os outros participantes. À maneira da pintura renascentista, em que o doador (o que pagava a obra) aparecia ao canto, aqui o senhor à direita seria Américo Santos, o dono da estação. Talvez ao lado esteja Lili Santos, a filha, e intérprete de folhetim como escrevo a seguir. Pelo menos, se comparar esta à fotografia incluída no livro de Matos Maia, Telefonia, há muitas parecenças.

Rádio Graça, a estação da rua da Verónica, quase em frente a uma escola secundária, ganharia muita fama quando em 1955 começou a emitir um programa para o público jovem adulto, a radionovela A Força do Destino, título muito à Verdi mas popularizado pela Coxinha do Tide. O patrocinador era o detergente Tide, que irrompera no consumo nacional um ano antes e a coxinha era a personagem principal: Margarida, doente de uma perna, seria operada pelo Dr. Humberto Figueirola. Eles apaixonaram-se, mas havia um problema: Figueirola era casado com Raquel, prima de Margarida. O argumentista resolveu o imbróglio: matou Raquel e deixou caminho livre para Humberto. Conta quem ouviu que a morte de Raquel foi dolorosa, com a agonia prolongada em sucessivos episódios. Depois da boda do casal "bom", veio um descendente. Antes do nascimento, a Rádio Graça viu-se invadida por roupa de bebé. Quem ouvia, julgava tratar-se de coisa verdadeira.

As fotografias denotam outros elementos. Um deles é o vestuário das crianças vedetas, especialmente em dois rapazinhos (calção e meias enroladas). Um segundo é o da assistência. Na fotografia de Esterinha, há um grupo de senhoras sentadas atrás, como formando a assistência ao programa (podemos comparar à assistência e palco nos atuais programas televisivos à tarde).


Direito à discordância


Ao ler notícias sobre o jornalismo na Hungria e o modo como o governo da Síria mata jornalistas, recupero o cartune do El Pais (12 de fevereiro de 2006). A crítica é um direito.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

A rádio na Seara Nova

O portal Revistas de Ideias e Cultura (RIC), dirigido por Luís Andrade e desenvolvido pelo Seminário de História das Ideias (SLHI), do Centro de Humanidades da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, em parceria com a Biblioteca Nacional e a Fundação Mário Soares, tem resgatado muitas revistas em papel tornadas agora digitais, como A Sementeira (1908-1919), Germinal (1916-1917),  suplemento de A Batalha (1923-1927), Renovação (1925-1926), A Águia, Seara Nova ou Atlântida.

Para este texto, parti de notícia editada no jornal Público. Aí, o jornalista Luís Miguel Queirós citou o responsável pelo portal: "«Enquanto os jornais fizeram a política, as revistas criaram a cultura com que o século passado interpretou e sentiu o mundo», diz Luís Andrade, recordando que quase tudo o que Fernando Pessoa publicou em vida saiu nestas publicações periódicas, e que foi também nelas que António Sérgio começou por divulgar os seus ensaios". A pesquisa pode fazer-se a partir de critérios como índice de autores, conceitos, assuntos, obras citadas ou nomes geográficos.

Procurei a revista Seara Nova e os textos publicados sobre rádio. Descobri 15, quatro dos quais de A. E. da Silva Neves, de 1938. Escolhi o editado em 18 de junho de 1938 (As Intimidades da Rádio). Em época em que o mundo estava mergulhado nas atrocidades da II Guerra Mundial e Portugal tinha uma ditadura que iria durar muitas décadas, parecia que a rádio não era um objeto de inovação e da civilização, dados os problemas que se levantavam: a rádio como meio de interesses económicos ou opiniões pessoais, a rádio em perigo de se tornar monopólio e dos que sonham em obter glória através dela. A. E. da Silva Neves questionava as taxas pagas por recetor e os dirigentes das estações que não suportavam críticas à programação, mas apelava também aos críticos que condenavam levianamente a ação artística e mental das estações. O colaborador da Seara Nova apresentava-se no seu primeiro texto como alguém a contribuir para a formação da opinião pública construtiva.


quinta-feira, 12 de abril de 2018

Folhetim da rádio e a sua canção: Fernando Rocha

Eça de Deus (pseudónimo de Moisés Santos) foi folhetinista de rádio ao longo das décadas de 1950 e 1960. Eu não conheço o paradeiro dos seus textos de teatro radiofónico, pelo que apenas posso traçar dele um perfil pobre. Mas sei que um dos folhetins se chamava O Impostor, transmitido numa estação de rádio portuense. Como hoje na telenovela, houve necessidade de criar uma canção que marcasse o folhetim. Fernando Rocha, locutor e realizador de rádio não era cantor mas deu a sua voz a Sonho de Amor (pode ser ouvido em https://www.youtube.com/watch?v=_J96bvgbOgQ). Afinal, ele era o protagonista do sucesso radiofónico. Pelo que se depreende do texto da capa do disco, a radionovela já estava no ar quando foi pensada e concretizada a música.

A editora Valentim de Carvalho, através da Vadeca (Porto), convidou Fernando Rocha a gravar um single. Eça de Deus teve de "inventar" o lado B, o bolero Desilusão. O maestro Resende Dias passou as músicas para a pauta, fez os arranjos e reuniu um grupo de músicos, quase todos da Orquestra Sinfónica do Porto. Não havendo na cidade um verdadeiro estúdio, a gravação decorreu em armazém da Vadeca, na avenida Camilo. O espaço não tinha qualquer tratamento acústico ou isolamento. Iniciada a gravação, houve uma paragem, devido ao cantar de um galo. A equipa técnica e o material de gravação iriam de Lisboa. A gravação foi orientada pelo Hugo Ribeiro, competente engenheiro de som. A master foi para Londres e o disco publicou-se na marca Parlophone (dados fornecidos por Fernando Rocha, a quem agradeço).

Sobre o folhetim, embora focado no publicado na imprensa, Ernesto Rodrigues desenvolveu a sua tese de doutoramento, depois publicada (Mágico Folhetim. Literatura e Jornalismo em Portugal). Aqui, defende a existência de práticas culturais que decorrem da relação entre jornalismo e literatura, reproduzido ou noticiado em folhetins (fascículos, banda desenhada, cinema-folhetim, seriais, fotonovela, folhetim radiofónico e telenovela). O folhetim, escreve, faz um país inteiro parar todos os dias, sempre à mesma hora, para saber a continuação da história.

A produção do interesse romanesco, continua Ernesto Rodrigues, assenta no desenvolvimento da intriga, com picos de interesse e de audiência. Cada episódio joga com múltiplas peripécias, inesperadas ou comoventes, doseadas para se manter a curiosidade e a expectativa. O professor de Letras indica o procedimento narratológico do folhetim: descontinuidade acional, rutura temporal, alternância de espaços, dentro de espírito acumulatório e reiterativo, em que a intriga se complica, o texto se deslineariza, os cenários mudam e as personagens multiplicam-se, com relevo até para as secundárias. O discurso é rememorativo, anunciador, antecipador, apelativo, explicativo. Tudo justifica, seja o acaso ou a inverosimilhança. Uma última ideia que capto do livro de Ernesto Rodrigues: o folhetim criou, desde os primeiros passos (e hoje à volta das séries e telenovelas) uma autoconsciência do género, que faz a sua vitalidade e tradição.

Leitura: Ernesto Rodrigues (1998). Mágico Folhetim. Literatura e Jornalismo em Portugal. Lisboa: Editorial Notícias

quarta-feira, 11 de abril de 2018

António Mafra

Esta semana, veio a notícia da morte de um elemento do conjunto António Mafra.
A notícia falava de "José Mafra, de 83 anos, um dos fundadores do Conjunto António Mafra". António Mafra, compositor, letrista do conjunto e intérprete de guitarra portuguesa, morrera em 1977. O vocalista Manuel Barros morrera em julho de 2016. O grupo tinha sido reativado em 1986, com a entrada de Manuel da Campanhã, com viola braguesa e cavaquinho. Rui Guerra seria o agente do grupo.

O conjunto António Mafra despontara em 1955, como dois recortes a seguir indicam (Jornal de Notícias, 18 de fevereiro e 11 de setembro de 1955), a partir de concurso do melhor cantador das freguesias do Porto, patrocinado pelo Grupo Dramático Beneficente Mocidade d'Arrábida. Os irmãos António e José Mafra moravam nessa zona da cidade e faziam parte do grupo de músicos que acompanhava os candidatos ao prémio. O vencedor seria Manuel Barros, da freguesia de Nevogilde. Estava construído o esqueleto do conjunto Caixinha de Surpresas, a tocar ritmos sul-americanos, depois mudado para Conjunto António Mafra, após sucesso em peça encenada por António Pedro (Teatro Experimental do Porto), e com música escrita e cantada em português. O grupo era constituído por António Mafra (empregado comercial), José Mafra (empregado de modas de senhora), Alberto Pereira (mecânico especializado), Manuel Barros Ribeiro (técnico de refrigeração), Mário João Leite (técnico da Emissora Nacional), Manuel Pinto (vendedor da indústria têxtil) e Venâncio Castro (não consegui apurar a profissão).

Os sucessos em disco surgiram de imediato. O primeiro datou logo de 1958, Arrebita, Arrebita, Arrebita, a que se seguiram Centopeia, O Vinho da Clarinha, Sete e Pico, Oito e Coisa, Nove e Tal, Carrapito da Dona Aurora e Oh Zé, Olha o Balão. Os Mafras editariam mais de 30 discos, quatro deles em formato LP, e atuariam nos Estados Unidos (1963, 1964 e 1968), Inglaterra, França e Canadá. A rádio foi a grande promotora desse reconhecimento. Os elementos do conjunto nunca ambicionaram profissionalizar-se e fazer carreira musical nacional e, em especial, internacional.

Do êxito dos Mafras, não posso esquecer o contributo de três homens das indústrias culturais. O primeiro é José Fortes, reputadíssimo técnico de som, que gravou os Mafras no seu espaço de ensaio, à rua dos Clérigos, no Porto. José Fortes foi falar com Carlos Silva, produtor e locutor do programa Última Hora, de Rádio Porto, nos Emissores do Norte Reunidos, para passar música dos conjuntos que ele gravava, embora Carlos Silva já conhecesse os membros do conjunto, pois fora o locutor apresentador do concurso de 1955. Os estúdios de Rádio Porto ficavam precisamente no edifício onde os músicos ensaiavam. O terceiro nome aqui trazido é o de Arnaldo Trindade, que gravou na sua etiqueta Orfeu muitos dos sucessos de António Mafra. Aliás, os Mafras foram aos Estados Unidos através de Arnaldo Trindade, com Carlos Silva a apresentá-los nos espetáculos nos Estados Unidos e no Canadá.



Deixo para o fim um excerto de entrevista que o radialista Carlos Silva (programa Última Hora) me concedeu, onde ele, entre outras memórias (Domingos Lança Moreira, Maria Adalgisa Costa, Maria Amélia Canossa, Olga Cardoso e Marino Marini), falou do conjunto António Mafra (minuto 5:57). Uma leitura particular da cultura da rádio e da música ligeira portuense, agora em desaparecimento e à espera do labor dos historiadores.

terça-feira, 10 de abril de 2018

Artistas e concursos

Em encontro de artistas, no passado dia 31 de Março, constituiu-se uma comissão informal, de onde saiu um grupo de trabalho informal e voluntário com a missão de redigir uma carta com as posições consensuais apuradas no encontro e de solicitar uma audiência ao Primeiro-Ministro, agendada para o dia 12 de abril. Está a ser definida a comitiva que apresentará as conclusões expressas na carta e que incluirá pessoas do grupo de trabalho e outras que representem estruturas que foram a concurso, de forma a assegurar uma maior representatividade. Na audiência, serão abordados apenas os pontos referidos na carta aberta: revisão do modelo de apoio às artes e dotação orçamental para a cultura. A expectativa é que se criem condições para um diálogo franco e regular entre o Estado e os artistas.

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Arquivo de Memórias Orais (12 de abril de 2018)

No dia 12 de abril próximo, a partir das 10:00, na Biblioteca Nacional, Júlia Leitão de Barros, apresenta o projeto Arquivo de Memórias Orais das Profissões da Comunicação (AMOPC), de que é coordenadora. Oradores convidados: Paula Godinho e José Luís Garcia. Moderação: Francisco Sena Santos (programa da sessão abaixo). Mais informações: e-mail jbarros@escs.ipl.pt.